fbpx
Plaza Shopping: 4º e 5º Piso | Acesso ao G1 e G2.
Rua Doutor Arthur Tibau 34, Ingá – Niterói
Agendamento: (21) 99150-5607

Acompanhamento Terapêutico (AT)

Acompanhamento Terapêutico (AT)

Acompanhamento Terapêutico (AT)

Projeto Integra TEA é além da Clínica!

Temos uma equipe de AT’s (Acompanhantes Terapêuticos) que vão na casa dos nossos pacientes.

O Acompanhamento Terapêutico (AT) é um trabalho multiprofissional que atua junto a outras áreas do conhecimento (Médicos, Psicólogos, Enfermeiros, Professores e etc.), intervindo não apenas com o indivíduo, mas promovendo uma Psicoeducação, pois muitas pessoas, bem como profissionais, por não conhecerem o autismo, não possuem suporte para lidarem com o paciente.

Diferentemente das outras terapias, no AT são vivenciados os momentos mais frustrantes, pois o processo ocorre no dia-a-dia, in loco, isto é, onde está o sujeito, seja na sua casa, escola, trabalho, nos locais de lazer, entre outros.

Notamos que o autista possui dificuldades nos relacionamentos interpessoais, bem como na relação consigo mesmo, com os próprios sentimentos, nos cuidados pessoais, sendo muitas vezes excluído, por ser difícil para o outro a compreensão do funcionamento desse indivíduo.

Durante nossos acompanhamentos sentimos que a sociedade, por não conhecer a questão, acaba estigmatizando e referindo o sujeito como ‘não obediente’ ‘agressivo’, ‘problemático’, e pessoas mais próximas (pais, escola e colegas) mostram-se frustradas por não saberem ao certo como lidar com a questão.

As possibilidades do autista parecem limitadas, por exemplo, uma das formas que ele encontra para se fazer notado é através de atitudes agressivas, estereotipias, gestos ou de maneira quase catatônica.

Portanto, o Acompanhamento Terapêutico buscará identificar o que acompanhado sente, compreender suas necessidades e criar junto a ele possibilidades de comunicação, relação e envolvimento social, transcendendo assim a maneira primitiva e instintual de expressão do sujeito, pois um dos papeis do AT é desmistificar e desestigmatizar o autista como portador de um transtorno, pelo qual deve permanecer recluso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Olá! Podemos te ajudar?